90. A Esses Moços

 
Diante do convite da mocidade para lhes falar do evangelho, Ricardo me diz: conte-lhes a sua história; sua compreensão da Cruz. Fale de você. E eu me perguntei: o que tenho para mostrar? Como animá-los à caminhada cristã, se a cruz será seu destino? Mas obedeci. A música surgiu assim que cheguei em casa, depois do encontro. Nossos textos: 2Co 6:4-10 e Fp 3:7-11. Uma palavra de agradecimento à Marlene (mais conhecida pela dupla que faz com seu marido: Wesley e Marlene), que nos empresta sua voz numa interpretação singular.

Sobre esta música

Como eu conto a esses moços

As derrotas que sofri?

Como animo a esses rostos

Com as batalhas que perdi?

Como eu mostro a minha vida,

Se manjares não comi,

Como estrada a ser seguida,

Se pra alguns sequer vivi?


Como exibo a vida boa,

Se padeço aqui e ali?

Como falo de coroa,

Se como um plebeu vivi?

“Sede meus imitadores?”

(grande exemplo me saí!)

Não reparem minhas dores,

Pois em Cristo me perdi.


   Mas se tudo joguei fora,

   Por amor daquela cruz,

   Hoje posso ir-me embora;

   Seguirei com meu Jesus.

   De alegria é minha história,

   Não se engane quem não crê,

   Pois na cruz tenho a vitória

   Que só pela fé se vê.


Toda a paz que, em nossas vidas,

Dá sentido ao caminhar;

Abundâncias prometidas:

Alegria e amor sem par.

Vida plena temos nele,

E nas dores que sofreu,

Somos mais que vencedores,

Pois o mundo ele venceu. 

Autor Letra: Rubem Amorese
Autor Música: Rubem Amorese
Intérprete: Marlene Vasques (solo)

Produção e participações
Produção: Toninho Zemuner


  OUÇA/BAIXE  

  CIFRA

  playback  



90.AEssesMocos_files/AEssesMocos.mp390.AEssesMocos_files/AEssesMocos.pdf90.AEssesMocos_files/A%20Esses%20mocos%20PB.mp3